Mioma uterino: quando operar?.

Ginecologista Especialisata em Miomas Uterinos

 

O mioma uterino ou leiomioma é um tumor benigno proveniente das células musculares lisas do útero.

Sabemos que os miomas uterinos são os tumores pélvicos mais comuns. A prevalência desta alteração é estimada em cerca de 70% das mulheres até 45 anos de idade.

Entretanto, a grande maioria são pequenos e assintomáticos. Mas, algumas mulheres podem apresentar sintomas importantes, sendo necessário a realização de algum procedimento cirúrgico.

Sobre os sintomas, vale ressaltar que a localização dos miomas no útero, é o fator mais importante. Entre os principais sintomas, temos:

  • Sangramento uterino anormal;
  • Cólica menstrual importante;
  • Compressão de bexiga, levando a aumento da frequência ou urgência urinária;
  • Compressão intestinal, levando a constipação intestinal;

Aumenta o risco de infertilidade;Abortamentos recorrentes, contrações prematuras, posicionamento fetal anormal, também podem ocorrer durante a gestação, dependendo da sua localização.

Os fatores que aumentam a chance de desenvolver miomas uterinos são principalmente ser da raça negra e índice de massa corporal elevado.

Quando operar o Mioma Uterino?

Os miomas uterinos assintomáticos podem ser acompanhados periodicamente, e muitas vezes não necessitam de tratamento. As pacientes devem ser reavaliadas a cada 6 a 12 meses.

Os miomas uterinos sintomáticos possuem diversas opções de tratamento. Todas são consideradas muito efetivas. Entretanto, devemos sempre priorizar o tratamento clínico antes de considerar realizar o tratamento cirúrgico.

O mioma uterino na pós-menopausa deve ser tratado com a conduta expectante. Esta conduta é possível pois os sintomas devem desaparecer com a diminuição do tamanho dos miomas após a menopausa.

O tratamento cirúrgico tem importante indicação para mulheres que apresentam os seguintes sintomas:

  • Crescimento rápido da massa pélvica;
  • Sangramento uterino recorrente e refratário ao tratamento clínico;
  • Dor intensa ou persistente ou compressão de outras estruturas como bexiga e intestino;
  • Infertilidade;
  • Abortamentos espontâneos recorrentes.

Entretanto, a cirurgia também pode ser indicada em pacientes que não possuem mais desejo reprodutivo ou ainda por desejo de um tratamento definitivo pela paciente.

Tipos de cirurgia de Mioma Uterino:

  • Miomectomia: pode ser realizada por via laparoscópica e histeroscópica. Atualmente, os melhores resultados são pelas técnicas robóticas. A miomectomia é realizada quando as mulheres ainda desejam reprodutivo ou se desejam manter o útero.
  • Histerectomia: também pode ser feita por via laparoscópica, vaginal ou por laparotomia. Mas a histerectomia é muitas vezes necessária ou preferida pela paciente.

Miomectomia x Histerectomia:

  • Miomectomia: Em mulheres com infertilidade causada apenas pela presença de miomas, o resultado da miomectomia é extremamente positivo com o restabelecimento da fertilidade, apresentando resultados de gestação após aproximadamente 15 meses.
  • Histerectomia: é um tratamento definitivo. Sabe-se que 25% das mulheres que se submetem a miomectomias realizam histerectomia entre 4 e 8 anos depois.
  • Miomectomia: na presença de muitos miomas uterinos pode ser bem mais difícil de realizar do que a histerectomia.
  • Histerectomia: também diminui o risco de outras doenças, como Câncer de colo uterino, Câncer de endométrio, endometriose, Câncer ovariano em mulheres com mutação no gene BRCA.

Atualmente, existem novos procedimentos que podem aliviar os sintomas:

  • Ablação por radiofrequência
  • Cirurgia com ultrassom focalizado orientada por ressonância magnética
  • Embolização das artérias uterinas

Agora que você já sabe um pouco mais sobre miomas uterinos e quando operar, conheça a Dra. Aline Borges e, se precisar, agende uma consulta.

Referências Bibliográficas:

Tire Todas as
Suas Dúvidas.

Categorias.

Agendar Consulta.